Sem ‘pauta de costumes’, calendário do STF para 2020 tem temas penais e econômicos

Depois de entrar na mira da opinião pública e sofrer pressão de setores da sociedade ao decidir uma série de questões delicadas, como prisão após segunda instância, homofobia e o compartilhamento de dados da Receita e do Coaf, o Supremo Tribunal Federal (STF) enfrentará neste ano temas de natureza penal e econômica com consequências no cenário político e nas contas públicas. Em março, o plenário deve concluir o julgamento que pode abrir brecha para anular a condenação imposta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do sítio de Atibaia.
O calendário de atividades para o primeiro semestre do ano foi divulgado no mês passado pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, a quem cabe definir o que será analisado pelos colegas nas sessões plenárias. Ficaram de fora a descriminalização do aborto e da maconha, dois assuntos da chamada “pauta de costumes” que contrariam os interesses do Palácio do Planalto. Na prática, ao não marcar esses julgamentos controversos, Toffoli pretende dar mais tempo para o Congresso se debruçar sobre os temas.
O ministro também sinalizou que não deve levar ao plenário a discussão sobre a legalidade do inquérito das fake news, instaurado por decisão dele próprio para apurar ameaças e ofensas disparadas contra integrantes da Corte e seus familiares. “Esse não é um tema prioritário. Hoje todos compreendem que o inquérito foi necessário”, disse na ocasião.
A primeira sessão está marcada para 5 de fevereiro, quando o STF deve concluir o julgamento sobre a validade da Lei de Responsabilidade Fiscal. Em agosto deste ano, o Supremo formou maioria para impedir que Estados e municípios endividados reduzam o salário de servidores públicos como forma de ajuste das contas públicas. O entendimento frustrou governadores que contavam com esse instrumento de ajuste em tempos de crise.
Também em fevereiro, o tribunal deve analisar o tabelamento do frete e julgar uma ação do Partido dos Trabalhadores que contesta decreto do governo Michel Temer que permite a Petrobrás vender blocos de petróleo para outras empresas sem necessidade de fazer licitação. Para o PT, o decreto tem o objetivo de permitir a “política de devastação da Petrobrás”.
O mercado de petróleo volta para o plenário em 29 de abril, quando os magistrados vão examinar as regras de distribuição dos royalties. Esse julgamento chegou a ser marcado para novembro do ano passado, mas foi adiado, depois de governadores, entre eles o do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), pedirem o adiamento da discussão.
Réus
Em 25 de março, as atenções estarão voltadas para o fim do julgamento que pode levar à anulação da condenação do ex-presidente Lula no caso do sítio de Atibaia. O tribunal já entendeu que réus delatados e réus delatores precisam ter prazos distintos para apresentar suas defesas no processo – o que não foi garantido a Lula naquele processo. Foi adiada, no entanto, a definição sobre em quais tipos de casos esse entendimento deve ser aplicado.
Na prática, há um impasse na costura do acordo sobre como ajustar a decisão. O plenário do Supremo deve delimitar o alcance da tese que abre caminho para a derrubada de sentenças da Lava Jato, muitas das quais proferidas pelo então juiz Sérgio Moro, hoje ministro da Justiça e Segurança Pública do governo Jair Bolsonaro.
Em novembro, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) driblou o Supremo e condenou o ex-presidente a 17 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do sítio. Para ministros do STF, os desembargadores de Porto Alegre desrespeitaram decisão superior.
Delação
Para o final do primeiro semestre, Toffoli marcou outro julgamento com efeitos sobre a classe política. Em 17 de junho, a Corte vai analisar a extinção dos acordos de colaboração premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, além dos executivos Ricardo Saud e Francisco de Assis.
A delação do grupo J&F levou à formulação de duas denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o então presidente Michel Temer, ao afastamento de Aécio Neves (PSDB) das funções parlamentares no Senado Federal e à prisão do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures.
Em parecer enviado ao STF, o atual procurador-geral da República, Augusto Aras, disse que os quatro delatores foram “desleais” e agiram com má-fé ao omitirem fatos ao Ministério Público Federal e contarem com a ajuda nos bastidores do ex-procurador Marcelo Miller, acusado de fazer “jogo duplo”, ao auxiliar o grupo J&F enquanto ainda mantinha vínculos com a Procuradoria.
O procurador também criticou o comportamento de Joesley e Ricardo Saud, ao deixarem de informar no início das negociações do acordo as acusações existentes contra o senador Ciro Nogueira (PP-PI). No último prazo para a entrega de material complementar aos procuradores, em 31 de agosto de 2017, Joesley encaminhou um áudio sobre o pagamento de R$ 500 mil ao parlamentar em troca de seu apoio ao impeachment de Dilma Rousseff (PT).
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário