Sob Bolsonaro, multas contra desmatamento caem 23%


Jair Bolsonaro
Levantamento feito pela Folha no sistema público de registros de multas do Ibama mostra que o número de multas por crimes contra a flora caiu 23% nos seis primeiros meses do governo Bolsonaro, na comparação com a média registrada no mesmo período nos últimos cinco anos, o que inclui os governos Dilma Rousseff (PT) e Michel Temer (MDB). Entre janeiro e junho de 2019, foram 5.826 autuações. O ano com menos autuações dessa série, nesse mesmo período, até então era 2017, sob Temer, quando as multas somaram 7.051 (17% a mais do que em 2019). Crimes contra a flora compreendem desmatamento comércio de madeira, incêndios, entre outros. Especialistas explicam a queda nas infrações registradas a partir da retórica anti-Ibama de Jair Bolsonaro, que disse haver uma suposta “festa de multas” e desestimulou os fiscais, da diminuição das ações de fiscalização; de declarações negativas do governo sobre operações e até da reforma da Previdência, que gerou expectativa de aumento dos pedidos de aposentadoria no órgão. Recentemente o presidente disse não ter confiança nos dados de obtidos pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) e que apontam um aumento do desmatamento em relação ao último ano. Outro motivo para explicar a queda das autuações seria a chegada de gestores sem experiência —alguns novos ocupantes de cargos de chefia do Ibama são militares e policiais militares que não teriam conhecimento do sistema de fiscalização ambiental. A ex-presidente do Ibama Suely Araújo disse que além de assegurar o orçamento para fiscalização, o governo precisa reverter “o discurso de crítica às ações, que gera reflexos na motivação da equipe”. Sobre a Amazônia, ela disse que há indicativos preocupantes do Deter, sistema de alertas sobre degradação florestal. “O controle do desmatamento requer não apenas comando e controle, mas também desenvolvimento regional, regularização fundiária e um conjunto de políticas públicas. Mas fiscalização sempre será um componente necessário nesse conjunto, assim como a transparência dos dados e o controle social das ações governamentais.” Carlos Rittl, do Observatório do Clima, disse que dados obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação apontam uma queda de 58% nas operações de fiscalização realizadas pelo Ibama até abril deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado. Na Amazônia, a queda nas operações foi de 70%. “A isso se soma um vazio administrativo absurdo. Das 27 superintendências estaduais do Ibama, 19 não têm um novo superintendente”, diz. Segundo dados obtidos pela ONG, o desmatamento de junho seria o mais alto desde 2015. “Bolsonaro foi eleito com uma agenda antiambiental, com discursos de ataque aos órgãos ambientais. Ele e Ricardo Salles [ministro do Meio Ambiente] constrangem os órgãos e agentes de fiscalização ambiental. As mensagens de tolerância aos crimes ambientais são muito fortes”, diz Ritll.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário