Neusa Cadore se solidariza com indígenas Wajãpi e diz que violência é incentivada por Bolsonaro


Cadore é presidente da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa da Bahia
A deputada estadual Neusa Cadore (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa da Bahia, se solidarizou com o povo Wajãpi, do Amapá, que teve a aldeia Mariry atacada e o cacique Emyra Wajãpi, de 68 anos, assassinado na última quarta-feira (24) por um grupo de garimpeiros.
Neusa classificou como inaceitável a onda de violência estimulada pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL) contra os índios, a juventude negra e as mulheres. “Este é o Brasil que Bolsonaro e Moro [Sérgio] querem construir. O país da violência, da intolerância, da ganância e do extermínio desses povos. Eles não respeitam a Constituição, nem os direitos humanos e estão estimulando um verdadeiro massacre nas florestas e nas periferias”, denunciou a parlamentar.
De acordo com as lideranças indígenas, os garimpeiros estão invadindo aldeias à noite e agredindo mulheres e crianças, além de realizar disparos com armas de fogo com objetivo de intimidar as comunidades.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário