Loja Maçônica Areópago Itabunense emite nota de repúdio contra possível fechamento do Manoel Novaes


ASSUNTO: SAÚDE DE ITABUNA ESTÁ PRESTES A PERDER NOVAMENTE!
Agora no dia de 31 de julho de 2019, apenas alguns dias após o aniversário da cidade, o hospital infantil Manoel Novaes deve encerrar seu contrato com o município de Itabuna e deixar de fazer atendimentos pelo SUS.

Caso se concretize o encerramento, será um duro golpe no já combalido sistema de saúde da cidade. Desde a década de noventa os Itabunenses vem sofrendo com o fechamento de hospitais, perdemos o Maria Goretti ainda nos anos 90, depois o hospital São Lucas, recentemente o Cemepi e agora, ao que tudo indica, irá também o Manoel Novais. O hospital Manoel Novais chega a atender mais de três mil pessoas por mês, 85% desses atendimentos são pelo SUS, sobretudo a população de baixa renda que, com o fechamento do hospital infantil CEMEPI, tem poucas alternativas para tratar de saúde de suas crianças, o futuro de nossa cidade. 

Lá são feitos os atendimentos de baixa, média e alta complexidade, com plantão 24 horas, o único com capacidade para cirurgias complexas na região sul, além de seu grande número de leitos, o que o torna apto para atender não só os cidadãos grapiunas, mas também a vários municípios da região cacaueira. Se encerrado o contrato, o sofrimento não será apenas no sistema de saúde, mas também haverá forte impacto na economia da cidade, já que o dinheiroinjetado no hospital, bem como os gastos das pessoas atraídas pelos seus sistema de atendimento, faz girar fortemente a economia da cidade, o que irá impactar até o mercado informal.

O imbróglio vem do fato que o atual contrato do hospital, que o obriga a atender todos que procurarem a unidade de saúde, tem um teto depagamento, que desse modo não recebe por todos os atendimentos que faz, já que a demanda aumentou muito após o fechamento do CEMEPI. Isso causou um desequilíbrio financeiro na ordem de quase 1,5 milhões por mês. Ademais, esse próprio contrato não pode mais ser prorrogado já que seu limite de aditamentos também já foi atingido, de modo que no dia 31 de julho, caso a prefeitura não apresente um novo contrato com termos mais equilibrados financeiramente, este será encerrado.


Ciente desse problema, a Loja Maçônica Areópago Itabunense, que foi uma das entidades responsáveis por trazer a Santa Casa de Misericórdia para a cidade, provocou a 10ª Promotoria de Justiça de Itabuna, que sensibilizada convocou uma reunião com o Secretário de Saúde, Conselho Municipal de Saúde, Câmara de Vereadores, representantes do Hospital e outros atores da saúde municipal, entretanto, apesar do esforço, não se chegou a nenhum acordo para manter a entidade atendendo as crianças Itabunense.

A prefeitura alega não tem recursospara fazer um novo contrato nos termo que pede a Santa Casa e, ao que tudo indica, colocará como alternativa para a população encaminhar os atendimentos para a maternidade Ester Gomes, que por sua vez não conseguirá absorver toda demanda do município, uma vez que lhe faltam equipamentos e profissionais que a deixe no mesmo nível do Manoel Novais, além da própria acessibilidade do local que não é das melhores.

O caso é de fato periclitante e sem o apoio da população, sensibilização das esferas estadual e federal, corremos o risco de deixar nossos jovens sem atendimento médico de qualidade, o que poderá ter um alto custo em vidas no nosso já não tão eficiente sistema de saúde. Ou agimos agora, ou Itabuna irá perder… de novo.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário