‘É pecado venial, não mortal’, diz FHC sobre mensagens vazadas de Moro

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).

Citado em troca de mensagens entre o ministro Sergio Moro, então juiz da Lava Jato, e o coordenador da força-tarefa, Deltan Dallagnol, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse não achar grave ter havido conversas paralelas entre um magistrado e procuradores. “É pecado venial, não é mortal”, disse o tucano nesta terça-feira (25) em Lisboa, onde participou de um evento. “Eu acho que o Sergio Moro, enquanto juiz, era natural que conversasse com um ou com outro. Não podemos supor que as pessoas viviam num laboratório abstrato. As pessoas têm relações e podem até, nas conversas pessoais, exagerar, e isso não ser apropriado diante daquilo que se olha na sociedade”, afirmou. O ex-presidente se esquivou ao ser questionado se Moro deveria se afastar do Ministério da Justiça e Segurança Pública até o fim das investigações. “Eu não sou nem advogado. Como é que eu vou opinar nesta matéria? Fica difícil”, respondeu. O nome do ex-presidente aparece em mensagens trocadas entre Moro e Dallagnol e publicadas pelo site The Intercept Brasil. Em conversa no aplicativo Telegram, o então magistrado mostrou contrariedade com investigações sobre FHC no âmbito da operação. O juiz receava afetar “alguém cujo apoio é importante”. O ex-juiz e hoje ministro escreveu, na época em que ainda atuava na operação, que uma apuração envolvendo o tucano poderia “melindrá-lo” e seria, portanto, “questionável”. Questionado pela Folha de S.Paulo sobre o diálogo, Fernando Henrique Cardoso minimizou o episódio. “A meu respeito não tem nada. O que ele disse é uma coisa de consideração apenas, sem envolver nada. Até porque não há nenhuma acusação contra mim, nunca houve”, disse.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário