Governo cria gabinete no Congresso para tirar dúvidas de deputados sobre Previdência

No esforço de tentar aprovar a reforma da Previdência, o governo criará um gabinete no Congresso para tirar dúvidas de parlamentares sobre a proposta. Técnicos do Ministério da Economia serão deslocados para a sala reservada no Parlamento, onde ficarão à disposição dos deputados e senadores interessados no principal projeto do presidente Jair Bolsonaro.
A estratégia foi anunciada na quinta-feira (2) pela líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), e pelo secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho.
“Temos tempo hábil ainda para aprovar nesse primeiro semestre aqui na Câmara. As costuras [política] são feitas exatamente para isso. A nossa preocupação é votar no primeiro semestre com o tamanho que nós precisamos”, disse Hasselmann.
A líder do governo voltou a repetir que a meta da equipe econômica é conseguir reduzir em R$ 1 trilhão os gastos públicos em dez anos.
Líderes que representam a maioria da Câmara já se posicionaram contra as mudanças nas regras do BPC (benefício pago a idoso carente) e da aposentadoria rural. Isso representaria uma desidratação de R$ 101,2 bilhões na estimativa de economia de R$ 1,2 trilhão com a reforma da Previdência em uma década.
Hasselmann reconhece que, diante da posição dos partidos, esses dois trechos da reforma devem ser retirados da proposta. “O BPC e o rural já estão nas nossas contas. Se a gente começa a abrir concessão em todos os pontos, a gente faz uma reforma mais magra do que precisamos”.
Marinho, no entanto, insiste que ainda é possível convencer parlamentares e conseguir que as medidas para o benefício assistencial e endurecimento dos critérios de aposentadoria para trabalhadores do campo sejam mantidas.
“Não é possível que o governo não defenda o que apresentou. E nós vamos defender”.
Instalada na semana passada, a comissão especial da Câmara é a segunda etapa para o governo aprovar a reforma da Previdência no Congresso.
O gabinete começará a funcionar na terça (7), mesmo dia em que a comissão começará a trabalhar.
A estratégia de levar técnicos ao Congresso está também ligada a buscar votos a favor da proposta no plenário da Câmara.
Após passar pelo colegiado, a reforma da Previdência precisa de 308 votos no plenário. O governo quer começar a articular e monitorar esse placar enquanto a proposta é discutida na comissão especial.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário