Imprensa estrangeira destaca entrevista de Lula na prisão

Veículos internacionais repercutiram a entrevista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) concedida à Folha de S.Paulo e ao El País na sexta-feira (26) –a primeira desde que o petista foi preso em Curitiba em abril do ano passado. 
A agência de notícias americana Associated Press destacou o pedido de Lula por uma autocrítica dos brasileiros após terem elegido o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em outubro passado. O texto também descreve as críticas de Lula a Sergio Moro, explicando que o ex-juiz condenou o petista e agora é ministro da Justiça. A notícia foi replicada em veículos dos EUA, como a TV Fox News e os jornais The New York Times e Washington Post. 
No jornal inglês The Guardian, as declarações de Lula sobre uma eleição dominada por ódio e fake news ganharam destaque. O periódico também lembrou o momento em que o petista questiona o que aconteceria se sua família, e não a de Bolsonaro, fosse próxima de milícias. Para o The Guardian, Lula insinuou que a imprensa o julgaria de forma mais intensa. O francês Le Figaro afirmou que a entrevista de Lula ocorreu após "uma longa batalha judicial" e destacou sua vestimenta, com camisa roxa e blazer cinza. 
"Lula culpa bando de lunáticos por arruinar país", escreve a agência de notícias russa Sputinik. O veículo também destacou as críticas do petista a Bolsonaro pelo que considera uma adoração aos Estados Unidos. "O ex-presidente Lula da Silva criticou o atual líder por destruir o status do país como uma potência mundial emergente e se esforçar demais para demonstrar adoração pelos Estados Unidos", afirma a notícia.
O jornal argentino Página 12 destacou que a entrevista durou duas horas e dez minutos, e que Lula ficou a quatro metros de distância dos jornalistas, conforme determinado pela Polícia Federal. A publicação também fez um resumo das críticas do ex-presidente a Moro e a Bolsonaro. O também argentino Clárin diz que Lula falou de tudo durante a entrevista. "Enquanto seus advogados tramitam uma bateria de recursos na Justiça, o ex-presidente brasileiro segue defendendo sua inocência", escreve. O jornal destaca ainda que Lula chorou ao falar da morte de seu neto Arthur, 7, em março deste ano. 
A primeira entrevista à imprensa do petista após sua prisão foi destaque ainda na agência de notícias italiana Ansa. O veículo afirma que a entrevista foi feita pela versão brasileira do jornal espanhol El País e pela Folha, "o jornal brasileiro de maior difusão". 
Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá. Ele está preso desde abril de 2018, depois de ter sido condenado pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), a segunda instância da Justiça Federal.Na última terça-feira (23), em decisão unânime, a Quinta Turma do STJ reduziu a pena do ex-presidente e abriu caminho para ele saia do regime fechado ainda neste ano. O tribunal manteve a condenação do petista, mas baixou a pena de 12 anos e 1 mês de prisão para 8 anos, 10 meses e 20 dias.
O petista já foi condenado também no caso do sítio de Atibaia (SP) –a 12 anos e 11 meses pela juíza Gabriela Hardt, na primeira instância em Curitiba, pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção. O caso, porém, ainda passará pela análise do TRF-4.O pedido de entrevista com o ex-presidente passou por um vaivém de decisões judiciais. Em julho de 2018, a juíza federal Carolina Lebbos, responsável pela execução da pena de Lula, barrou a realização da entrevista, afirmando não haver previsão constitucional que dê ao preso direito de falar com a imprensa.
Após reclamação ao STF (Supremo Tribunal Federal) feita pela Folha, o ministro Ricardo Lewandowski autorizou em 28 de setembro que a entrevista fosse realizada em Curitiba. A liminar, porém, foi derrubada no mesmo dia pelo ministro Luiz Fux, também do Supremo. Ele julgou pedido do partido Novo, que alegava que o PT apresentava Lula como candidato à Presidência da República, desinformando os eleitores.
O petista foi impedido de concorrer na eleição presidencial devido à Lei da Ficha Limpa, que barra candidaturas de condenados em segunda instância, e acabou substituído por Fernando Haddad, também do PT.
Ao suspender a entrevista, Fux determinou ainda que, caso já tivesse sido realizada, sua divulgação estaria censurada. A liminar de Fux foi revogada no último dia 18 pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário