Ciro é processado por chamar comunidade judaica de corrupta

A Confederação Israelita do Brasil (Conib) e a Sociedade Israelita do Ceará (SIC) entregaram uma Representação Criminal contra o ex-candidato à Presidência da República Ciro Gomes (PDT) à Procuradoria-Geral da Justiça na sexta-feira, 26, por declarações antissemitas. As entidades apresentaram um pedido de explicações ao Fórum Criminal para apuração da prática de crime de injúria racial.
O alvo da Conib e da SIC é uma entrevista de Ciro Gomes ao site HuffPostBrasil. O 1º vice-presidente nacional do PDT citou o presidente Jair Bolsonaro (PSL) à publicação.
"Agora Bolsonaro diz aos grupos de interesse o que eles querem ouvir. Por exemplo, para os amigos dele aí, esses corruptos da comunidade judaica, que acham que, porque são da comunidade judaica, têm direito de ser corrupto."
Em nota, as entidades informaram que foram recebidas pelo procurador-geral da República em exercício, Valter Paulo Sabella, e pelo subprocurador-geral de Justiça Mário Sarrubbo.
"Mais uma vez, Ciro Gomes nos ataca de forma generalizada, agora chamando membros da comunidade de 'corruptos'. Não vemos Ciro ligar outras minorias ou grupos à corrupção no Brasil. Se pretende ser visto como um político despido de ódios e preconceitos, cabe ao ex-governador se retratar das infelizes declarações contra os judeus brasileiros", afirmou a Confederação.
Estiveram presentes o presidente da Conib, Fernando Lottenberg, Rony Vainzof, secretário da Conib, Octavio Aronis, diretor de Segurança Institucional da Conib, Ricardo Berkiensztat, vice-presidente executivo da Federação Israelita do Estado de São Paulo (Fisesp) e Andrea Vainer e Daniel Kignel, integrantes da Comissão Jurídica Conib /Fisesp.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário