As diferenças entre esquizofrenia, bipolaridade e personalidade dissociativa

Resultado de imagem para As diferenças entre esquizofrenia, bipolaridade e personalidade dissociativa
Na psicologia, é muito fácil confundir conceitos, pois muitas vezes as categorias usadas para classificar os fenômenos mentais têm limites difusos. Além disso, se você não tem muito treinamento neste campo da ciência, é fácil ficar com dúvidas sobre o que uma definição referente a padrões de comportamento significa.
Neste artigo vamos ver quais são as diferenças entre bipolaridade, esquizofrenia e personalidade dissociativa (ou transtorno de personalidade dissociativa), palavras que não significam a mesma coisa, embora façam referência a um tipo de divisão entre os elementos psicológicos de uma pessoa.
Definição de cada conceito psicológico
Para entender como podemos distinguir entre esses conceitos usados ​​em psicologia clínica e psiquiatria, precisamos primeiro ter uma definição (mesmo que básica) sobre esses termos. Vamos para isso.

O que é bipolaridade e transtorno bipolar?

A bipolaridade é um conceito amplo e não oficial que se refere ao transtorno bipolar, um diagnóstico que é oficial quando aparece nos principais manuais de diagnóstico de saúde mental.
Em resumo, podemos dizer que o transtorno bipolar é um transtorno do estado de humor em que a pessoa não pretende, nem pode controlá-lo. Ele possui etapas de depressão e etapas de mania, nesta última o estado de ânimo se eleva muito e se torna excessivo.
Embora existam diferentes tipos de transtorno bipolar, o conceito mais “puro” refere-se ao que acontece com uma pessoa que por vários dias seguidos está profundamente desmotivada, muito triste e até incapaz de sentir prazer, e então, de repente, acontece vários dias seguidos sentindo uma espécie de intensa euforia e crenças de que você pode alcançar qualquer objetivo (quase que literalmente, e com todos os perigos que isso implica).
O transtorno bipolar é uma alteração séria da saúde mental na qual há um alto risco de tentativas de suicídio ou exposição a situações muito perigosas, e muitas vezes as mudanças drásticas de humor podem aparecer junto com distorções na percepção, como delírios e até alucinações.
O que é esquizofrenia?
A esquizofrenia é um conceito clínico ligado a alterações sérias dos processos mentais mais básicos, e está relacionado a sintomas psicóticos caracterizados por uma alteração séria da percepção e pela realização de comportamentos anômalos que frequentemente envolvem a exposição a perigos.
As formas pelas quais a esquizofrenia é expressa são tão variadas que debatem se ela é realmente uma entidade clínica única ou várias com pouca relação entre si em termos de suas causas. Por exemplo, em alguns casos, desilusões e alucinações aparecem junto com uma incapacidade de se comunicar de uma maneira organizada, outras vezes os sintomas psicóticos da percepção combinam com estupor catatônico e perda de consciência, e em muitos casos tudo isso é combinado com uma maneira estranha de expressar emoções (às vezes parece que você não tem emoções, às vezes as emoções não correspondem ao que está acontecendo).
Qual é a personalidade dissociativa?
A personalidade dissociativa refere-se ao que é conhecido como transtorno de identidade dissociativa, anteriormente conhecido como transtorno de personalidade múltipla. É uma categoria de diagnóstico que carrega muita controvérsia porque há muito poucos casos documentados e, portanto, não tem sido amplamente estudado, e também os seus sintomas não foram descritos de forma consistente também.
De um modo geral, o transtorno dissociativo de identidade está associada a sintomas tais como a incapacidade de recordar certas experiências em determinados momentos, mas não outros, o sentimento de decadência da personalidade e o fluxo do tempo. Além disso, o transtorno dissociativo de identidade geralmente ocorre em pessoas que passaram por experiências traumáticas. Mas isso é apenas uma hipótese.

Diferenças entre esquizofrenia, bipolaridade e personalidade dissociativa

Com o que vimos até agora, podemos começar a entender quais são as diferenças entre personalidade dissociativa, esquizofrenia e transtorno bipolar.

1. O transtorno bipolar é baseado nas emoções. Embora o transtorno bipolar possa andar de mãos dadas com alucinações e delírios, o que o caracteriza são as alternâncias entre os estados de extrema depressão ou euforia , e é por isso que faz parte da categoria dos transtornos do humor. Por outro lado, na maioria dos casos, as pessoas com transtorno bipolar não têm problemas para se comunicar de forma consistente (embora às vezes eles podem optar por não falar devido à falta de motivação e energia característica da fase depressiva).
2. Na identidade dissociativa, a chave é a memória. Nas definições de transtorno de identidade dissociativa, alterações na experimentação de memórias são o elemento central. Isso significa que, na maioria dos casos, a incapacidade de lembrar eventos é descrita, e às vezes até se refere a uma memória “compartimentalizada”, como se no mesmo corpo houvesse várias pessoas capazes de acessar memórias que ninguém mais pode acessar. É claro que, na realidade, essa divisão absoluta entre os conteúdos lembrados não existe como tal e é apenas aparente.
3. Esquizofrenia não se limita a emoções ou memória. Outra diferença entre esquizofrenia, transtorno bipolar e transtorno de identidade dissociativa é que o primeiro tem uma variedade muito maior de tipos de sintomas que vão além dos bloqueios emocionais e de memória.
4. Em cada caso, a “divisão” nos processos psicológicos é diferente. Nestes após conceitos aparece a ideia de que existe uma divisão entre processos psicológicos. No transtorno bipolar, essa divisão ocorre com a mudança qualitativa de um estado emocional para outro. Na identidade dissociativa, o cambeamento ocorre quando algumas memórias ficam bloqueadas e quando outras se tornam acessíveis.
E na esquizofrenia, parece que os processos psicológicos em si são aqueles que são separados uns dos outros, e não os seus conteúdos: a parte emocional às vezes não corresponde aos processos de percepção do ambiente, estes últimos não correspondem ao funcionamento de os sentidos, etc. Por outro lado, não é típico da esquizofrenia passar por estágios em que os sintomas aparecem juntos por vários dias seguidos e depois passar para outra fase em que surge outro grupo de sintomas totalmente diferentes, como ocorre com o transtorno bipolar.

REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.