Cientistas desenvolvem exame capaz de prever expectativa de vida

De acordo com a publicação da BBC News, uma equipe de cientistas da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, desenvolveu um exame de sangue capaz de determinar a expectativa de vida com base na idade fisiológica do corpo. Isto é, os investigadores identificaram um método de quantificar a idade através do funcionamento do organismo ao invés da data de nascimento. "Dois indivíduos podem ter 50 anos em termos cronológicos, mas um deles pode ter o mesmo risco de morrer de alguém de 55 anos, enquanto o outro tem o mesmo risco de morrer de alguém de 45 anos", explicam os acadêmicos Zuyun Liu, Pei-lun Kuo, Steve Horvath, Eileen Crimmins, Luigi Ferruci e Morgan Levine, no estudo publicado na revista científica Biorxiv. Os pesquisadores tiveram em conta nove marcadores biológicos (biomarcadores), que são indicadores para o funcionamento normal ou patológico do organismo. Esses marcadores podem incluir, por exemplo, o funcionamento de órgãos, genes e proteínas. Para criação do teste, os cientistas observaram 42 aspectos em uma amostra de sangue, entre os quais o número de células brancas, o nível de glicose e de albumina. A metodologia foi aplicada em 11.432 pessoas, que foram acompanhadas durante 12 anos e meio. Durante esse período, 871 morreram. A partir de exames de sangue e do acompanhamento para verificar quando morreriam ou desenvolveriam doenças, foi possível calcular a expectativa de vida e a taxa de mortalidade para cada grupo de ‘idade fisiológica’. A professora de Patologia da Universidade de Yale, Morgan Levine, coautora do estudo, disse à BBC News que os resultados obtidos foram mais precisos que o de outros testes desenvolvidos até ao momento e que levam em conta idade cronológica ou apenas um marcador biológico. "A idade fisiológica alcançou quase 90% de precisão em estimar se uma pessoa viveria mais 10 anos ou não. Mas é importante destacar que esse cálculo é relacionado apenas a causas de morte relacionadas ao envelhecimento (surgimento de doenças crônicas, como diabetes e cardiopatias, por exemplo). Obviamente, não consideramos mortes acidentais, suicídio e homicídios", afirmou.

Risco de morte e expectativa de vida

A pesquisa mostra que o acréscimo de um ano na idade fisiológica, em relação à idade cronológica, já é capaz de aumentar a mortalidade em cerca de 9%, quando considerados todos os grupos de idade. Os cientistas também analisaram o impacto da idade fisiológica na expectativa de vida. A expectativa das mulheres de 65 anos que foram classificadas como saudáveis - por terem idade fisiológica equivalente à cronológica - era de 87 anos. Já as mulheres da mesma idade classificadas como tendo idade fisiológica avançada apresentaram uma expectativa média de vida de 78 anos - quase dez anos a menos. No caso dos homens, os saudáveis tinham expectativa de vida de 84 anos enquanto os com idade fisiológica bem mais avançada que a idade cronológica só viveriam, em média, até os 76 anos. "A idade fisiológica é um melhor indicador de expectativa de vida do que a idade cronológica. Atualmente, a expectativa média de vida de um homem de 65 anos nos Estados Unidos é de 84,3 anos. Mas, com essa nova metodologia, podemos calcular uma expectativa média de vida mais personalizada, baseada tanto na idade cronológica quanto na idade fisiológica", explica Morgan Levine.
Compartilhar no Google Plus

Sobre Bahia Extra

Melhor Site de Notícias da Bahia. Direção Erasmo Barbosa.

0 comentários:

Postar um comentário